Thursday, June 22, 2017

Os piratas de eleições alteraram os roteadores de eleitores, roubaram dados privados

11:24 ET

http://time.com/4828306/russian-hacking-election-widespread-private-data/?utm_campaign=time&utm_source=facebook.com&utm_medium=social&xid=time_socialflow_facebook 


O pirateamento de bases de dados de eleições estatais e locais em 2016 foi mais extenso do que o relatado anteriormente, incluindo pelo menos uma tentativa bem sucedida de alterar a informação de eleitores e o roubo de milhares de registros de eleitores que contêm informações privadas, como números parciais da Segurança Social, funcionários atuais e antigos contam a revista TIME.
Em um caso, os pesquisadores descobriram que havia uma manipulação de dados de eleitores em um banco de dados do condado, mas as alterações foram descobertas e corrigidas, duas fontes familiares com o assunto informam a TIME. Os investigadores não identificaram se os hackers nesse caso eram agentes russos.
O fato de que dados privados foram roubados de estados está fornecendo separadamente aos pesquisadores uma linha de inquérito não relatada nas tentativas russas de influenciar a eleição. Em Illinois, mais de 90% dos quase 90 mil registros roubados pelos atores estatais russos continham números de licenças de motorista e um quarto continha os últimos quatro dígitos dos números de segurança social dos eleitores, de acordo com Ken Menzel, o Conselho Geral do Conselho Estadual de Eleições.
Os investigadores do Congresso estão investigando se alguma dessas informações privadas roubadas abriu caminho para a campanha Trump, duas fontes familiares com as investigações dizem a revista TIME.

"Se de alguma campanha, Trump ou de outra pessoa, usou dados inadequados, as perguntas são, como eles conseguiram? De quem? E com qual nível de conhecimento? ", O ex-democrata no Comitê de Inteligência da Câmara, Michael Bahar, conta a TIME. "Esse é um cerne da investigação".
Os porta-vozes dos comitês de inteligência da Câmara e do Senado declinaram comentar a busca de dados roubados. Ninguém contatado para esta história disse ter visto evidências de que os dados roubados, privados, haviam feito o caminho para a campanha Trump.
RELACIONADO
Candidato ao Congresso do GOP GA, Karen Handel, realiza evento noturno eleitoral
ELECÇÕES
A vitória de Karen Handel na Geórgia foi maior do que a de Trump
O Comitê de Inteligência da Câmara planeja buscar testemunho neste verão de Brad Parscale, o diretor digital da campanha Trump, informou a CNN na semana passada. Os investigadores da Colina em fevereiro solicitaram à Casa Branca e às agências de aplicação da lei que assegurem que todos os materiais relacionados aos contatos entre a administração Trump, a equipe de transição e a campanha com os russos tenham sido preservados. Parscale não retornou mensagens solicitando comentários para esta história. O secretário de imprensa de Trump, Sean Spicer, referiu questões sobre as investigações para a equipe legal de Trump, que não respondeu aos pedidos de comentários.
Ambos os comitês de inteligência estão analisando se e como as invasões poderiam ter promovido os objetivos estratégicos maiores da Rússia de minar a democracia nos Estados Unidos, prejudicando Hillary Clinton e ajudando Donald Trump. Durante a vigência da votação, os oficiais de segurança cibernética da administração Obama tomaram medidas para se preparar para a manipulação generalizada do registro de eleitores, temendo que a Rússia possa tentar causar o caos nos locais de votação para minar a credibilidade das eleições. Funcionários atuais e antigos de aplicação da lei e inteligência dizem que a Rússia também poderia ter tentado usar os dados de eleitores roubados para obter alavancagem sobre cúmplices involuntários no campo de Trump, envolvendo-os em uma conspiração mais ampla.
Os comitês de inteligência da Câmara e do Senado realizaram audiências em 22 de junho para destacar a atual vulnerabilidade dos sistemas eleitorais dos EUA. "Estou profundamente preocupado", disse o senador republicano da Carolina do Norte, Richard Burr, que preside o Comitê de Inteligência do Senado, que "podemos estar aqui em dois ou quatro anos falando sobre uma crise muito pior".
Autoridades de segurança social atestando na audiência do Senado reconheceram pela primeira vez a extensão do esforço russo para interferir nas eleições. Vinte e um estados viram essas intrusões no ano passado, disse um alto funcionário do Department of Homeland Security, Jeanette Manfra. Nenhuma das intrusões afetou o voto em si, todos os oficiais testemunharam.
Isso não garantiu alguns líderes de Hill. "Não há provas de que pudessem afetar a contagem dentro das máquinas", diz o alto democrata no comitê de inteligência da Câmara, o congressista Adam Schiff da Califórnia. Mas, ele acrescentou, "o efeito sobre a eleição é uma questão bastante diferente".
Os esforços russos contra bancos de dados estatais e locais foram tão difundidos que os altos funcionários da segurança cibernética da administração Obama assumiram que, pelo dia da eleição, os agentes de Moscou haviam investigado os 50 estados. "No começo, era um estado, depois três, depois cinco, depois uma dúzia", diz Anthony Ferrante, ex-funcionário da segurança cibernética do FBI e membro da equipe da Casa Branca encarregado de prontidão e resposta à invasão cibernética. Nesse ponto, diz Michael Daniel, que liderou o esforço da Casa Branca para garantir o voto contra as intrusões russas: "Tivemos que assumir que eles realmente tentaram pelo menos chocar as maçanetas em todos os 50, e acabamos de encontrá-los em alguns deles. "Muitos hackers, incluindo os patrocinados pelo Estado, usam programas automatizados para atingir centenas ou mesmo milhares de computadores para verificar vulnerabilidades. Mas confirmar intrusões é difícil. No que diz respeito aos funcionários Capaz de determinar, o número de intrusões bem sucedidas reais, onde os agentes russos ganharam acesso suficiente para tentar alterar, excluir ou baixar qualquer informação, era "menos de uma dúzia", ​​dizem oficiais atuais e antigos. Mas essa não era a única preocupação "Além da ameaça à votação, também estamos muito preocupados com a confiança do público na integridade do sistema eleitoral", diz Ferrante. O advogado especial Robert Mueller está investigando se alguma lei foi quebrada em relação ao ataque russo. As sondas de inteligência do Congresso também procuram determinar a natureza e alcance da operação de espionagem russa para proteger futuras eleições. "A integridade de todo o sistema está em questão ", diz Bahar," Então você precisa do sistema para voltar e descobrir o que aconteceu e por que, então, nunca mais acontece ".

grep CTF

I used grep grep -i -r "string" /directory  -i to accept lowercase and uppercase  -r recursive __ look for all fol...