Wednesday, October 12, 2016

Jogando através da dor - O Impacto dos Segredos e do sombrio Conhecimento em Profissionais de Segurança e Inteligência



Repudiar ou rir sem preocupações sobre o que uma pessoa sabe em relação aos segredos críticos de outra pessoa tem um impacto na vida que é difícil mensurar, podemos ver isto no trabalho e nas relações de construção de um mapa da realidade de "pessoas normais". Um deles tem de calibrar narrativas para o que o outro acredite. Um tem que viver na defensiva, com cautela. Isso faz com que haja uma dissonância cognitiva através da negação. Mas recusando-se a sentir a dor não fará isso ir embora. A situação se intensifica quando entra em erupção.
Philip K. Dick disse, a realidade é que, quando você já não acredita nela, não vai embora. Quando a dissonância cognitiva evolui para sintomas de stress traumático, um ignora esses sintomas à própria sorte. Mas as limitações do seu trabalho muitas vezes tornam impossíveis de falar em voz alta sobre esses sintomas, porque isso poderia ameaçar seu tempo livre, trabalho e carreira. E a proteção do delator é muitas vezes inexistente.
O custo real do trabalho de segurança e inteligência profissional vai além de dólares. Ele é medido na vida familiar, relacionamentos e bem-estar mental e físico. A taxa de divórcio é tão elevada entre os profissionais de inteligência, pois é entre os profissionais médicos, por uma boa razão - como os relacionamentos podem ser baseadas em transparência e confiança quando uma das partes não tem autorizações primárias para dizer a verdade?
Um veterano da CIA escreveu: "Eu estava sendo em um período um observador para o grupo de trabalho de Gestão de Pessoas no DO. Notei que eles / nós obscenamente orgulhosos de ter os mais altos índices de alcoolismo, adultério, divórcio e suicídio no governo dos EUA. Pessoalmente, tenho 23 suicídios profissionais em meu diário de bordo, o primeiro foi um instrutor que estourou os miolos com uma espingarda quando eu estava em treinamento. Os últimos eram figuras importantes que não poderia viver com o que sabiam. "
Richard Thieme tem por anos ouvido as pessoas com dor por causa das necessidades imperiosas de seu trabalho, as consequências das suas ações, os erros de planos imperfeitos, e os fardos de experiências de cortar a alma. Thieme tocado em algum desse impacto na sua história, "o norte para a noite", publicado no Ranfurly Review, Big City Lit, Andanças e histórias desconcertantes antes da coleta em "Mind Games". A história ilumina a carga emocional de gerenciar múltiplas personas e, finalmente, esquecer quem você é, em primeiro lugar.
A linha inferior é, trauma e trauma secundário têm sintomas identificáveis e eles estão por toda parte na "indústria". O espaço "hiper-real" que o estado de segurança nacional cria por sua própria natureza estende-se a toda a gente também, agora, mas é mais intensa para profissionais. Vivendo como "engenheiros sociais", sempre tentando entender POV do outro para que se possa manipular e explorá-la, corrói a própria personalidade. O desafio existencial constitui um ataque à autenticidade e integridade. Às vezes a sanidade está em jogo, também, e, por vezes, a própria vida.

Nós também podemos começar nossa discussão com a realidade. Escolhendo irrealidade, uma vez que significa que temos que gastar energia e tempo em uma caminhada de irrealidade à realidade simplesmente para começar. Esta conversa é sobre a realidade - os fatos reais da matéria e estratégias necessárias para respostas eficazes de servir a vida, uma maneira de gerenciar os imperativos paradoxais e pressões de identidade ameaçadora de nossas vidas e trabalho.



Richard Thieme

Playing Through the Pain – The Impact of Secrets and Dark Knowledge on Security and Intelligence Professionals

Dismissing or laughing off concerns about what it does to a person to know critical secrets does not lessen the impact on life, work, and relationships of building a different map of reality than “normal people” use. One has to calibrate narratives to what another believes. One has to live defensively, warily. This causes at the least cognitive dissonance which some manage by denial. But refusing to feel the pain does not make it go away. It just intensifies the consequences when they erupt.
Philip K. Dick said, reality is that which, when you no longer believe in it, does not go away. When cognitive dissonance evolves into symptoms of traumatic stress, one ignores those symptoms at one’s peril. But the very constraints of one’s work often make it impossible to speak aloud about those symptoms, because that might threaten one’s clearances, work, and career. And whistle blower protection is often non-existent.
The real cost of security work and professional intelligence goes beyond dollars. It is measured in family life, relationships, and mental and physical well-being. The divorce rate is as high among intelligence professionals as it is among medical professionals, for good reason – how can relationships be based on openness and trust when one’s primary commitments make truth-telling and disclosure impossible?
One CIA veteran wrote: “I was for a while an observer to the Personnel Management working group in the DO. I noted they/we were obscenely proud of having the highest rates of alcoholism, adultery, divorce, and suicide in the US Government. I personally have 23 professional suicides in my mental logbook, the first was an instructor that blew his brains out with a shotgun when I was in training. The latest have tended to be senior figures who could not live with what they knew.”
Richard Thieme has for years listened to people in pain because of the compelling necessities of their work, the consequences of their actions, the misfiring of imperfect plans, and the burdens of soul-wrenching experiences. Thieme touched on some of this impact in his story, “Northward into the Night,” published in the Ranfurly Review, Big City Lit, Wanderings and Bewildering Stories before collection in “Mind Games.” The story illuminates the emotional toll of managing multiple personas and ultimately forgetting who you are in the first place.
The bottom line is, trauma and secondary trauma have identifiable symptoms and they are everywhere in the “industry.” The “hyper-real” space which the national security state creates by its very nature extends to everyone too, now, but it’s more intense for professionals. Living as “social engineers,” always trying to understand the other’s POV so one can manipulate and exploit it, erodes the core self. The existential challenge constitutes an assault on authenticity and integrity. Sometimes sanity is at stake, too, and sometimes, life itself.
We might as well begin our discussion with reality. Choosing unreality instead means we have to spend energy and time on a trek from unreality to reality simply to begin. This talk is about reality – the real facts of the matter and strategies needed for effective life-serving responses, a way to manage the paradoxical imperatives and identity-threatening pressures of our lives and work.

APIs - REST API