Tuesday, July 11, 2017

Como estamos arruinando a América (EUA)

How We Are Ruining America

David Brooks JULY 11, 2017

Traduzido por Afonso H. R. Alves

Ao longo da geração passada, os membros da classe educada pelas melhores faculdades se tornaram incrivelmente bons em garantir que seus filhos mantenham seu status privilegiado. Eles também se tornaram increvelmente hábeis em garantir que os filhos de outras classes tenham chances limitadas de se juntarem a suas fileiras.

Como eles conseguiram fazer a primeira tarefa - dar a seus próprios filhos uma vantagem - é bastante óbvio. É a pediacracy (Governo dos Pais), estúpida. Ao longo das últimas décadas, os americanos de classe média alta adotaram códigos de comportamento que colocam o cultivo de crianças bem-sucedidas no centro da vida. Assim que recebem algum dinheiro, eles investem em seus filhos.

As mães da classe média alta têm os meios e a maternidade para amamentar seus bebês em taxas muito mais elevadas e por períodos muito mais longos do que as mães educadas somente com ensino médio.
Os pais de classe média alta têm os meios para passar duas a três vezes mais tempo com seus filhos durante o período pré-escolar do que pais menos abastados. Desde 1996, as despesas de educação entre os ricos aumentaram em quase 300%, enquanto as despesas de educação entre todos os outros grupos são basicamente regulares.

À medida que a vida piorou para o resto da classe média, os pais da classe média alta tornaram-se fanáticos sobre garantir que seus filhos nunca afundem nesses níveis e, claro, não há nada de errado em se dedicar à seus próprios filhos.

É quando passamos para a próxima tarefa - excluindo os filhos de outras pessoas das mesmas oportunidades - que as coisas se tornem moralmente perigosas. Richard Reeves, da Brookings Institution, publicou recentemente um livro intitulado "Dream Hoarders", detalhando alguns dos modos estruturais do sistema educacional bem educado.
O mais importante é as restrições de zoneamento residencial. As pessoas bem educadas tendem a viver em lugares como Portland, Nova York e San Francisco que têm regras de habitação e construção que mantêm os pobres e menos educados longe de lugares com boas escolas e boas oportunidades de trabalho.
Essas regras têm um efeito devastador sobre o crescimento econômico em todo o país. Pesquisas dos economistas Chang-Tai Hsieh e Enrico Moretti sugerem que as restrições de zoneamento nas 220 principais áreas metropolitanas do país reduziram o crescimento agregado dos EUA em mais de 50% entre 1964 e 2009. As restrições também têm um papel crucial na ampliação da desigualdade. Uma análise de Jonathan Rothwell descobre que, se as cidades mais restritivas se tornassem como as menos restritivas, a desigualdade entre diferentes bairros seria reduzida pela metade.

A segunda barreira estrutural de Reeves é o jogo de admissão da faculdade. A classe abastada vive em bairros com os melhores professores, eles investem nos orçamentos das escolas públicas locais e se beneficiam das regras de admissão, isto é, dos critérios de admissão que recompensam as crianças que crescem com muitas viagens e estágios não remunerados que levam a empregos.
Não é de admirar que 70 por cento dos alunos nas 200 escolas mais competitivas do país venham do nicho que mantem um quarto da distribuição de renda do país. Com seus critérios de admissão, as faculdades de elite da América se sentam no topo das gigantescas montanhas de privilégio e, em seguida, com suas políticas de bolsas de estudo, elas tentam salvar suas consciências, oferecendo pequenas escadas para todos.
Eu fui chocado com o livro de Reeves, mas depois de falar com ele algumas vezes, pensei que as barreiras estruturais que ele enfatiza são menos importantes do que as barreiras sociais informais que segregam os 80 por cento mais baixos.
Recentemente eu levei um amigo com apenas ensino médio para almoçar. Insensivelmente, eu a levei a uma loja de sanduiche gourmet. De repente, vi seu rosto se congelar quando foi confrontado com sanduiches denominados "Padrino" e "Pomodoro" e ingredientes como soppressata, capicollo e uma baguette striata. Eu rapidamente perguntei-lhe se ela queria ir a outro lugar e ela ansiosamente acenou com a cabeça sim e nós comemos em um restaurante mexicano.
A cultura americana da classe média alta (onde as oportunidades são) é cultivada com significantes culturais que são completamente ilegíveis, a menos que você tenha crescido nesta classe. Eles jogam com o medo humano de humilhação e exclusão. Sua principal mensagem é: "Você não é bem-vindo aqui".
Em seu livro completo "The Sum of Small Things", Elizabeth Currid-Halkett argumenta que a classe educada estabelece barreiras de classe não através de consumo material e exibição de riqueza, mas estabelecendo práticas que só podem ser acessadas por aqueles que possuem informações refinadas.
Para se sentir em casa em áreas ricas em oportunidades, você precisa entender as técnicas de convívio, como segurar o carrinho de bebê direito, ter o podcast direito, as comidas, o chá, o vinho e o Pilates, para não mencionar possuir as atitudes corretas sobre David Foster Wallace, criação de filhos, normas de gênero e raças.
A classe educada construiu uma rede cada vez mais intrincada para nos ajudar e facilitar a todos. Não são realmente os preços que asseguram que 80 por cento dos seus compradores da Whole Foods sejam, de forma reconfortante, também graduados da faculdade; São os códigos culturais. As regras de status são em parte sobre consentimento, sobre atrair pessoas educadas para o seu círculo, apertando os laços entre você e erigindo escudos contra todos os outros. Nós na classe educada criamos barreiras à mobilidade que são mais devastadoras por serem invisíveis. O resto da América não pode nomeá-los, não pode compreendê-los. Eles só sabem que estão lá.


Key stretching - explicação

Você pode fazer uma chave fraca se tornar mais forte ao executar múltiplos processos para a mesma chave. Por exemplo, você pode ter uma se...